História
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

As origens

O concelho de Ribeira de Pena proporciona ao visitante múltiplas leituras da sua história, pela exploração de um percurso civilizacional da pré-história até aos nossos dias.

Da Pré-História à Romanização…

O povoamento inicial era pouco significativo, não ultrapassando a sedentarização de pequenos grupos de carácter familiar, que se terão fixado apenas com o objectivo de encontrarem alimentos e abrigo. O que sabiam estas gentes, aplicaram-no no lugar de lamelas, ao marcarem o granito com figuras geométricas e símbolos antropomórficos, numa tradição que se prolongou até à Idade do Ferro.

As terras férteis da região, propícias ao desenvolvimento da agricultura e da pastorícia, favoreceram a progressiva fixação dos povos que por aqui passaram. Permitindo um conhecimento mais alargado sobre o povoamento de Ribeira de Pena. Posteriormente, testemunhos da presença romana espalhados um pouco por todo o concelho, evidenciam uma organização do território e das suas estruturas rurais, nomeadamente, através da construção de pontes, abertura de vias e novos modos de cultivar a terra.

Da Idade Média à Idade Contemporânea…

Ribeira de Pena, povoação antiga e anterior à fundação da monarquia, só em 29 de Setembro de 1331 os seus moradores receberam, do rei Afonso IV, o 1º foral para ali fazerem “pobra” (povoamento). Posteriormente, o território designado por “Terra de Pena” foi domínio senhorial de D. Nuno Álvares Pereira, da Casa de Bragança e da Casa de Bragança e da Casa Azevedo até 1517, ano em que D. Manuel I lhe concedeu novo foral, fazendo reverter para a Coroa os direitos de jurisdição: rendas, foros e pensões.

Em 1853, o concelho de Cerva, antigo município com foral outorgado por D. Manuel I em 1514, foi extinto. Como consequência, o território ribeirapenense foi alargado, dele passando a constar seis freguesias: Salvador, Stº Aleixo de Além Tâmega, Stª Marinha e Cerva, Limões, Alvadia, cuja sede se localiza no lugar da Venda Nova (Largo do Pelourinho).

Em 1895, foi-lhe anexado a freguesia de Canedo, que pertencera ao concelho de Boticas, ficando assim constituído o território com a configuração que actualmente mantém e com sede na freguesia de Ribeira de Pena – Salvador.

(Fontes: Própria / Câmara Municipal de Ribeira de Pena)